quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Van Halen: Chickenfoot Fala do Van Halen

De VHND:

Já imaginou os membros do Chickenfoot falando sobre o Van Halen aqui? Aqui está o que Joe Satriani e Chad Smith disseram sobre eles:

"O poder e virtuosismo que Eddie exibe em todas as gravações é desconcertante. Seu tempo e seu tom podem fazê-lo muito divertido de se ouvir. A primeira vez que ouvi no rádio o VH, levantei-me e aplaudi, porque eu senti que Eddie estava fazendo o que muitos da minha geração estavam tentando fazer. Ele estava trazendo a guitarra do rock para um nível novo, excitante, e fazê-la com integridade musical."

-Joe Satriani,

Esse e outros depoimentos estaram já no próximo livro do fotógrafo Neil Zlozower, o livro de Eddie Van Halen.

"Eddie tem a melhor mão direita no negócio, o tempo cai morto e o tom fica para o dia. Ele é um guitarrista mestre e um grande compositor. Ele estava por volta de 92 no estúdio, quando eu estava gravando o álbum The Extremist, saímos então um pouco e comentamos sobre o que estávamos fazendo. O homem foi ele que me ligou! Era 11:00 horas e ele estava fumando e bebendo cervejas e conversando a mil por hora. De pé ao lado dele, você poderia dizer que ele era especial, uma verdadeira estrela com a mercadoria em volta de tudo. Eu sempre serei um grande fã de sua música extraordinária."

-Joe Satriani,

 
 
do livro, Van Halen 101, por Abel Sanchez.

"Van Halen é a pura personificação da América do Rock: originalidade, ultrajante, e que conheci quando fui vê-los ao vivo, você iria ter um grande momento.

"Como um miúdo que cresce nos arredores de Detroit, vi o Van Halen muitas vezes. Vi pela primeira vez como banda de abertura de três bandas, o Montrose (com Sammy Hagar cantando) e uma nova versão do Journey, que tinha um cara com uma voz alta chamado Steve Perry. Eu pensei no momento que as outras bandas estavam bem, mas eu estava realmente lá para ver os homens selvagens da Califórnia. Eu infiltrado em meu caminho para ir até o backstage, comercializei um saco de ervas para conseguir um passe, e eu estava no céu do rock para observá-los no lugar com seu som.

"A próxima vez que eu vi eles foi na turnê do segundo álbum e eles foram os headliners das turnês. Eles tinham tanto poder, que foram apenas divertidos. Eu adorei.

"Então no infame do Cobo Hall, em Detroit, eles eram a banda de abertura de um cansado Black Sabbath. Eles vêm ao palco e tocam a primeira música como se fosse a encore. Depois do que pareceu ser um final de cinco minutos, o lugar ficou absolutamente louco. David absorve isso e à frente do palco apenas olhando e sorrindo, balançando a cabeça, e amando-as. O que parece mais de cinco minutos, ele finalmente da passos para o microfone e, em um rosnado lento vai, "Fuckin'-A Deeetroit!" O lugar fica totalmente louco!

"Eu pensei que seria legal estar em uma banda de rock até então, mas depois disso, eu não tinha escolha. Eu tinha ido para a igreja do Van Halen e fui um membro de carteirinha convertido. Foi ultrajante, puro e original. Foi o Rock americano e puro."

-Chad Smith,
 
do livro, Van Halen - A História Visual 1978-1984, por Neil Zlozower.

Nenhum comentário:

Postar um comentário