sábado, 30 de abril de 2011

Van Halen: Sammy Hagar No "The Aloha Shirt Museum"

Sammy Hagar na entrada do "The Aloha shirt museum", onde Hagar teria comprado um grande número de camisas vintage ao longo dos anos.

De hawaiiskjorta.blogspot.com e Van Halen Brasil Twitter:

22 de março de 2011

Sammy Hagar (n. 1947) é um músico e foi entre 1985 e 1996, membro da lendária banda de rock Van Halen. Hoje em dia, Sammy Hagar é principalmente um artista solo, embora ocasionalmente ele toque com sua banda The Wabo. Hagar também é membro da banda Chickenfoot em que seu colega de banda e ex-Van Halen, Michael Anthony (baixo) está incluído. O Chickenfoot também é composto pelo lendário  guitarrista Joe Satriani e o baterista Chad Smith do Red Hot Chili Peppers. Ouça o Chickenfoot via Spotify. Além de seus projetos musicais, incluindo a venda de tequilas em seu próprio selo "Cabo Wabo Tequila" e dirigindo o seu próprio clube noturno chamado de "Cabo Wabo Cantina", onde uma tequila é um dos best-sellers no bar. O Hawaiiskjorta.blogspot.com quer chamar a atenção para Sammy Hagar para ser um verdadeiro amigo de camisas havaianas que muitas vezes são vistas usando uma camisa havaiana. Segundo fontes não confirmadas, nasceu o interesse de Sammy Hagar em camisas havaianas nos anos em que tocou com Eddie Van Halen, que também é conhecido no Hawaiiskjortekonnässör.

Além da música e tequila, ele tem vida no espaço, um interesse que Sammy Hagar tem e teria tido em seu primeiro contato com extraterrestres assim durante quatro anos. Leia mais sobre Sammy Hagar e suas declarações sobre os extraterrestres aqui: (Expressen)

ALOHA!


Hawaiiskjorta
Hawaiiskjorta.blogspot.com é um blog sueco que enfoca a camisa havaiana como um fenômeno cultural popular e tem a ambição de difundir conhecimentos de camisas havaianas e para aqueles que têm o bom gosto a vestir camisa havaiana. Hawaiiskjorta.blogspot.com também visa incentivar uma utilização mais generalizada de camisas havaianas.

Colaboração: Érico Salutti.

Van Halen: Andy Johns - O Homem Atrás do Som do Rock n Roll

Andy Johns no Estúdio.

De Guitar International.com

Por Matt Warnock
Há poucas pessoas na indústria da música que podem reivindicar um toque de Midas, como a do famoso produtor e engenheiro Andy Johns. Seu trabalho com bandas como Led Zeppelin, The Rolling Stones e Van Halen fez dele uma lenda da gravação, e depois de ser envolvido em álbuns que venderam mais de 160 milhões de cópias, não há dúvida de que tudo que Andy faz, sempre torna-se algo a ser especial.
 Andy Johns.

Embora ele seja conhecido por seu trabalho em tais álbuns clássicos como "Exile on Main Street", "Physical Graffiti" e "For Unlawful Carnal Knowledge", Johns também trabalhou em alguns dos maiores grupos e gravações do novo milênio. Como o Chickenfoot, Godsmack e Eric Johnson que apelaram para o lado de Johns - para trabalhar com eles em projetos recentes, e os resultados têm sido estelares. Considerando que muitos dos seus contemporâneos, desde os primeiros dias que tenham caído no esquecimento, Johns não mostrou sinais de abrandar, levando os fãs a acreditar que seu melhor trabalho em estúdio pode ainda estar por vir.
Andy Johns.

A Guitar International sentou-se recentemente com Andy Johns para falar sobre sua longa carreira no estúdio, trabalhando com lendas como os Rolling Stones e Led Zeppelin e para obter o seu pensamento sobre a tecnologia de gravação digital versus a analógica.

******

Matt Warnock: Você trabalhou no álbum de estréia do Chickenfoot, que foi lançado em 2009. Depois de entrar no estúdio ao longo dos anos com diferentes faixas de trabalho, você se aproximou no trabalho com um "supergrupo", diferentemente de qualquer outra banda que você já trabalhou com?

Andy Johns: Bem, eu tinha produzido um álbum com Joe Satriani por volta do início dos anos 90 e foi muito bom. Tivemos muita diversão juntos nesse projeto. Eu também tinha trabalhado com Sammy Hagar e Michael Anthony de volta quando nós produzimos o álbum do Van Halen. Então, eu sabia desses caras. Não era um território novo para mim. Chad Smith, o baterista, é um gato muito bonito, grande baterista, e assim não houve realmente qualquer preocupação.

Começamos a fazer algumas demos em estúdio com Sammy e sentiamos alguns materiais. Depois fomos até Skywalker, apenas acima da estrada, porque realmente Sammy e Joe viveram na área da baía. Nós ainda estávamos no processo de composições das canções quando estávamos lá, e eu senti que estávamos um pouco aquém das músicas nesse ponto. Não foi esta uma idéia que Sammy tinha e fiquei com ele para entregá-lo, o que ele fez relutantemente no final e acabou por ser uma grande canção.

Joe e eu fizemos um monte de trabalhos no estúdio juntos, apenas a sorte de brincar com os temas, depois as faixas iniciais foram definidas. Eu tive um tempo muito bom, com esse projeto e trabalhar com esses grandes músicos.

Matt: Quando você trabalha com músicos como Joe Satriani, Sammy Hagar e mais recentemente com Steve Miller, que são todas as lendas da indústria e grande experiência em estúdio, você apenas teve que orientá-los ao longo do caminho ou você ainda chegou lá e mãos ao trabalho com eles durante o processo de gravação inteira?

Andy: Com Joe Satriani, que ricocheteou muito uns aos outros. Eu participei bastante com Joe. Com Steve Miller, nós fizemos um DVD ao vivo, mas depois nós fizemos um álbum de canções de blues, na verdade fizemos dois, mas o segundo ainda não foi lançado. Eu definitivamente tinha dado a entrada durante os projetos.

Eu trabalhei com o baterista durante o rastreamento, quando necessário. Depois, com trabalho de guitarra de Steve, tenho quase a certeza que eu tenho algumas performances fora dele que não teria de outra forma. Várias idéias para boas de overdubs e ele parecia muito feliz com tudo isso. Devíamos voltar a trabalhar em abril, mas ele pegou a estrada em vez disso.

Conheço Steve Miller desde que eu tinha 17 anos, e meu irmão tinha trabalhado muito com ele ao longo dos anos. Eu sempre fui um grande fã de música de Steve então foi muito legal trabalhar com ele. Quando estávamos gravando algumas canções, ao invés de fazê-las como, "Oh, nós vamos manter a bateria e refazer tudo de cada vez", e eu admito que eu sou o maior culpado de fazer isso como ninguém. Nós voltamos a fazer isso com toda a gente e fizemos mais de uma vez. Mantivemos as teclas, o baixo, bateria e o outro guitarrista.

Fizemos adicionar coisas mais tarde em Steve, mas todo o resto foi feito em conjunto, e nós tivemos um tempo muito bom para fazer dessa maneira. E acabamos por ir na casa dele para fazer as mixagens e overdubs, que é um ótimo lugar para trabalhar. Ele tem um ótimo lugar para trabalhar em Sun Valley, Idaho, foi uma grande experiência, mais uma vez, muito obrigado. [Risos]

Matt: Você também trabalhou antecipado no grande e novo álbum "Up Close" de Eric Johnson's, lançado em 2010. Você pode nos contar sobre essa experiência?

Andy: Isso foi só mixar, mas correu muito bem. Eric é um cara muito meticuloso, mas nós nos dávamos muito bem. Ele ficou satisfeito e gratuito como no inferno. Ele tem um grande estúdio. Levei alguns dias para se acostumar, mas tinha tudo que precisávamos. Passamos, provavelmente, um par de semanas para mixar. Foi muito bem gravado e seus arranjos e peças estavam todos no lugar, então eu tive que aprender o que estava lá.

Ele é um cara ótimo, então foi um show rápido. Eu tinha trabalhado com ele anos atrás com um amigo meu, em Austin, nesta canção de blues onde ele veio e tocou, foi quando eu percebi o quão bom ele realmente é. Muita gente disse: "Ele pode ser muito anal no estúdio", mas quando nós estávamos trabalhando juntos, ele não era. Se ele ouviu alguma coisa que ele definitivamente disse o que era, o que é legal comigo, porque eu quero me fazer feliz e no retorno do artista ser feliz também.

Matt: Você tem preferência por trabalhar com alguém como Eric, que é muito minucioso sobre as coisas, ou para pessoas que só entregam tudo para você e para você tomar as rédeas?

Andy: Tudo depende. É óbvio que cada artista é um pouco diferente. Foi útil ter Eric há muito tempo porque havia um monte de peças e ele poderia me dizer o que estava lá, o que ele sentia falta, como ele planejou tudo e colocar tudo junto. Às vezes, as bandas vão me enviar o material, como Los Lonely Boys fizeram cerca de um ano para esse EP que eles estavam fazendo por volta de 1969. Uma das músicas foi algo que eu fiz com o Blind Faith na época. Isso foi bastante simples e eu realmente não preciso deles lá para isso. Eu acho que eu apenas fiz um overdub de teclado em uma das canções, e eles adoraram.

Assim, cada situação é um pouco diferente, e às vezes eu fico conduzido até a parede por pessoas que não sabem o que estão fazendo. Às vezes eles querem experimentar coisas que parece bom no papel, mas que eu tenho tentado ao longo dos anos e sei que não vai funcionar, mas é difícil se virar para alguém e dizer: "Não, eu não vou me preocupar com porra nenhuma com isso porque não funciona. " [Risos]

Por exemplo, a coisas que eu fiz no ano passado com o Derek and the Dominos box set foi o material que eu tinha gravado a caminho de volta em 71 e fui listado como co-produtor do material. Então, eu sabia que o material dentro e por fora conseguiu apenas a mergulhar de cabeça nisso, e acho que ficou ótimo. Estou muito orgulhoso de como esse projeto acabou.

Matt: Olhando para trás sua carreira como produtor, parece que se você gosta de se concentrar em um ou dois projetos grandes de gravadoras a cada ano. Isso é uma coisa consciente, gostaria de ter apenas um ou dois projetos sobre os livros de uma só vez, ou assim que as coisas funcionarem para fora?

Andy: É realmente sobre quem está ligando e quem não está. Nos últimos anos eu gostava de fazer dois álbuns por ano, e eu também estive fazendo por volta de 5.1 's para esta outra empresa que eu venho trabalhando com cerca de nove anos. Isso é muito trabalho, porque você tem que fazer um som e um 5.1, mas a gravação não leva tanto tempo, porque isso é apenas um show ou talvez dois. Algo como o projeto de Steve Miller, porém, trabalhando dentro e fora, levou cerca de cinco ou seis meses.

Aqueles tipos de shows não vêm ao redor, muitas vezes estes dias, porque os orçamentos simplesmente não existem para eles todas as vezes. A maioria dos caras vão me ligar para mixar, ou temos que fazer rapidamente para não dar muito dinheiro. Tem sido difícil. Nos últimos dois anos, realmente estive afundado dos negócios que eu havia crescido, e tudo se foi, e é um pouco decepcionante.

Matt: Você esteve no estúdio para muitos discos de rock clássico, incluindo Exile on Main Street, Led Zeppelin IV e inúmeros outros. Você acha que os artistas hoje em dia poderiam produzir um álbum resistente como um deles no clima econômico de hoje?

Andy: Eu não tenho bola de cristal, mas eu sei que muita gente saiu e comprou equipamentos de Pro Tools, mas a atmosfera não é o mesmo que estar em um estúdio, bom legal. É por isso que foi ótimo trabalhar em estúdio em Skywalker em dois projetos, porque eu me senti muito em casa. Você está cercado por profissionais e por isso deixa você um pouco pra cima. Assim, muitas pessoas compram uma plataforma Pro Tools e acho que elas vão gravar um álbum, mas isso realmente não funciona dessa maneira.

Um monte de gente vai descobrir como obter caminhos de sinais mic, o bumbo da bateria e depois pensam: "Eu sou um engenheiro." [Risos] "Vamos colocar um pandeiro sobre isso. Eu sou um grande produtor de discos também. "Mas, isso me levou anos e anos para realmente descobrir tudo. O primeiro disco foi produzido em 69, e embora fosse um sucesso, não me senti confortável com as coisas que para trás estavam. Não foi até os anos 80, quando eu me sentia bem em fazê-lo, exclusivamente, o que levou-me através dos anos 80 e 90.

A gravação do Godsmack que eu fiz foi o número um, acho que foi o Chickenfoot o número quatro. Assim, mesmo quando você está tendo um mau dia você pode pensar: "Bem, espere um minuto, eu tenho uma gravação que está no número um." [Risos] Mas, na medida em que as vendas vão indo agora, é abismal, e ganhar dinheiro com os downloads podem ser difíceis. O dinheiro não é realmente o homem que está lá. Eu ainda estou divertindo no estúdio, mas os projetos em profundidade que eu gostaria de trabalhar apenas não são sangrentos como lá fora era.
Andy Johns.

Matt: Já que você trabalhou no estúdio desde '69, você ainda está trabalhando com uma tecnologia analógica ou digital com todos vocês neste momento?

Andy: Eu tenho todas as digitais já há algum tempo. Eu não tenho gravado um álbum em fita multi-track, pois, oh, Eu não sei de cinco ou seis anos atrás, eu acho. Com Steve Miller, ele trouxe toda a fita de presente e começamos assim, mas cerca de metade do caminho com ele, ele disse: "Foda-se Andy, levaremos muito tempo, vamos fazer em Pro Tools." Eu disse que tudo bem, porque os tambores eram apenas batidas até Pro Tools e acabamos a fazer o que parecia grande. Na verdade, eu recebi um email da Roadrunner Records dizendo que era um dos melhores álbuns de sonoridade que se ouviram em quando, o que é incomum, pois normalmente não incomoda. Estou bastante feliz com o Pro Tools, e soa muito bem, contanto que você não vai usá-los como uma muleta que é ótimo.
Andy Johns.

Estou feliz com o som da fita, mas um monte de pessoas que não usaram fita muito, vão dizer para mim "Andy volta no dia em que você estava usando a fita, não irá aquecer o som?" Bem, não não, não fiz nada no som. Na verdade, a maior parte das vezes você estava lutando com a máquina multi-track para obtê-lo ao som idêntico ao AB’ed it. Se você está fazendo overdubbing na guitarra e vocal, por exemplo, você não ouve muita diferença. É só quando você faz tudo junto que a extremidade superior é um pouco mais eletrônica. Mas eu tenho feito coisas digitalmente que eu estou muito feliz com elas e continuo recebendo o melhor o tempo todo. A tecnologia da fita pode ser muito desonesta. O número de vezes que tive problemas com as máquinas de fita ao longo dos anos são inúmeras.
 Andy Johns.

Matt: Houve algum projeto, um álbum ou uma faixa especial, que representava um único e difícil de trabalhar fora dos problema para você ao longo dos anos e que tem realmente algo preso na sua mente?

Andy: Bem, eu suponho que o único, que não me pega de surpresa, mas se eu não tivesse sido tão forte poderia ter sido muito difícil, foi o álbum Exile on Main Street. Essa foi uma situação muito singular, onde nós estávamos trabalhando em um porão na casa de Keith. Foi muito duro para gravar nesse espaço. Há toneladas de espera ao redor, e sendo, no sul da França, no Verão era muito quente.
 Andy Johns.

A energia continuou dentro e fora, era apenas uma coisa de Stones, algo que sempre pareceu acontecer quando esses caras estavam ao redor. Isso levou quase um ano. Naquela época, se você levasse mais de três ou quatro semanas para gravar um álbum, algo estava errado, mas esse projeto nos levou apenas cerca de onze meses para terminar.
2011 NAMM - Josh Vittek, Andy Johns & Steve Grindrod.
Matt: Quando você estava em estúdio trabalhando em Led Zeppelin IV, você teve uma idéia de quão grande no álbum, é a "Stairway to Heaven" que ia ser lançada?

Andy:. "Stairway to Heaven" Bem, eu não acho que 40 anos abaixo da estrada, as pessoas ainda vão querer saber sobre isso [risos] Eu sabia que ia ser uma boa gravação, porque os caras eram músicos fenomenais e Jimmy Page realmente sabia como fazer as coisas no estúdio muito rapidamente. Eles foram muito rápidos porque Page e John Paul Jones foram músicos muito experientes de estúdio e que tocaram em milhares de datas ao longo dos anos.

Eu não acho que nós sabíamos que o álbum teria as pernas que tinha, e naquela época nós não pensamos que o Rock n Roll teria as pernas que teve em ser completamente honesto. Você estava pensando muito além dos próximos anos, era apenas: "Vamos ver o que acontece e de lá iamos."
Matt: Você já trabalhou com praticamente todos os grandes nomes da indústria durante a sua carreira. Existe uma pessoa ou banda que você não teve a oportunidade de trabalhar com o que você ainda gostaria de gravar no futuro?

Andy: Sim, tem havido algumas pessoas. Tom Petty é, obviamente, incrível, mas ele está trabalhando com o mesmo cara há anos e anos. Eu também gosto de trabalhar com Sheryl Crow, porque eu realmente se relacionei com suas canções. Não há realmente nenhuma jovem banda por aí que eu estou morrendo de vontade de trabalhar, exceto, talvez, Coldplay, eles são muito fodas e incríveis. Eu cavo-los. Mas eu realmente não penso em termos como esse. Eu comecei a trabalhar com quase todo mundo que eu queria voltar no mesmo dia, exceto, talvez, de Neil Young. Eu mesmo comecei a fazer algumas coisas com Bob Dylan uma vez em um filme. Mas, não, não realmente, sinto muito. [Risos]
 

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Van Halen: Balance Van Halen Cover - Shows em Maio e Junho

De Balance Van Halen Cover:

Por Deco Koy:

- A banda se apresentará dia 05 de Maio de 2011 (quinta-feira) no Studio Rock Café, em Santos - SP, e o show será retransmitido no Domingo (08 de Maio), pela Kiss FM.

- Entrevista da banda publicada no site www.uarevaa.com  por Thiago Motta.

Próximos Shows: 
05/MAIO/ 2011
Kiss Club  - Studio Rock Café, em Santos - SP  Link

03/JUNHO/ 2011
Manifesto Bar
Rua Iguatemí, 36C - Bairro do Itaim - São Paulo - SP.  Link

Balance Van Halen Cover Site Official:
http://www.balancecover.com.br/

Colaboração: Deco Koy.

Van Halen: EVH Frankenstein Flip Flops

De Eddie Van Halen Myspace e Eddie Van Halen Twitter:

27 de abril de 2011 / 10:54

O EVH Gear Frankenstein Striped Flip Flops está agora disponível no EVHGear.com e no Urban Outfitters Stores em todo o país!


São 3 modelos diferentes de cores e listras clássicas do EVH, esses ultra-confortáveis, e de qualidade premium flip-flops são os ajustes perfeitos para o verão que está por vir ao virar a esquina.

"Play Fast, Wear Stripes"

Frankenstein Striped Flip Flops - Yellow

Frankenstein Striped Flip Flops - White

Frankenstein Striped Flip Flops - Red

terça-feira, 26 de abril de 2011

Van Halen: Rudolph & Michael Schenker Sobre Van Halen

 Scorpions: Sangue alemão & rock and roll na veia.

De VHND e Van Halen 101:

Rudolph Schenker (Scorpions) e seu irmão Michael Schenker (Scorpions, UFO, Michael Schenker Group, etc) discutiram sobre Van Halen. Do livro, Van Halen 101, por Abel Sanchez.

Rudolph Schenker

Tenho conhecido Edward desde 1979, quando o Van Halen tocou em Hamburgo, apoiando o Black Sabbath (um grande concerto). Klaus e eu estávamos sentados na quarta linha, e Eddy veio diretamente para nós, e imediatamente levou-nos bastidores, onde tivemos um grande momento com os outros membros da banda. Em seguida, descobrimos que durante os dias de clube em Los Angeles, eles tocaram algumas das nossas canções, como "Speedy's Coming" e "Catch Your Train." À meia-noite, comemoramos o aniversário de David com os outros membros do Van Halen no clube, onde a banda jogou o bolo na cara de David. Foi uma noite fantástica, e nós nos divertimos muito. Dez anos depois, em 1988, fomos convidados para seu estúdio em Los Angeles para falar sobre o "Monsters Of Rock Tour 1988", onde foram encaixados como convidado especial. A turnê foi um grande sucesso, e tivemos muitos bons momentos falando sobre técnicas de guitarra e violão.



Van Halen, Metallica & Scorpions - "Monsters Of Rock Tour" (1988):

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



Michael Schenker

Edward tem sido o meu guitarrista favorito desde o lançamento do primeiro álbum do Van Halen.

Van Halen: Últimas Chances Para Adquirir Um EVH Low Top Sneakers

De VanHalenStore.com:

Apesar do fato de que a linha EVH Signature de tênis é a nossa maior seção de vendas de todos os tempos, o EVH Low Tops (Baixo Canudo) foram parados de fabricar. Nosso estoque é limitado, é tudo o que sobrou.

O EVH High Tops ainda estão sendo feitos, mas a nossa oferta é limitada, e, é tudo o que nós vamos ter até algum dia deste verão.

Então agora é a última chance para você conseguir um tênis de baixo canudo, e sua última chance "para andar com o seu neste Verão! Faça o seu pedido dos tênis agora!

O Van Halen Store tem o orgulho de oferecer aos mais esperados e s-solicitados do Van Halen - os tênis "stripeds" de Eddie Van Halen! Estes clássicos High Top Top e tênis baixos são como os de Eddie - que vem usando há anos. E, como as guitarras de Eddie, as listras significam uma história do rock 'n'roll: as listras "Eddie Van Halen!"



Faça o seu pedido acessando o site Van Halen Store ou EVH Gear:
http://www.vanhalenstore.com/page/VH/CTGY/sneakers


http://store.feamerch.com/eddievanhalen/

Van Halen: A Maior Usurpação de Música Na Política Republicana é do Van Halen: "Right Now"

De Time.com:

Por Michael Scherer

Se os republicanos estão em plena campanha eleitoral, o Van Halen está de volta na moda. Durante anos, os candidatos republicanos e os políticos têm usado a música do Van Halen, "Right Now", como o pé-no jingle em comícios e eventos. A primeira vez que gravaram o seu uso foi no dia 05 de novembro de 2006, quando o então presidente George W. Bush usou a melodia para inserir um comício em Greeley, Colorado, não muito longe do matadouro, em uma sala que cheirava a estrume de vaca. McCain usou em 2008, e no fim de semana, Sarah Palin usou a música para introduzir um comício em Wisconsin durante a semana. Os cabeludos e conhecedores de rock desde o início da década de 1990 sabe que isso é engraçado, mesmo que Palin, Bush e McCain nunca parecem entender a piada.
A canção foi cortada do nono álbum de estúdio do Van Halen, "For Unlawful Carnal Knowledge" (1991), que não se refere apenas a sodomia penal em seu título, mas faz também uma sigla, mal-humorada não-tão-republicana. Como Sammy Hagar, vocalista, explicou na altura, "Eu queria o nome do álbum apenas como f-k". A canção também gerou um dos vídeos de rock no dia da música na televisão. Enquanto a banda canta, frases como "Agora as empresas petrolíferas e os velhos estão no controle" sob flashs através da tela. Durante sua turnê de 2004, o Van Halen piscou várias frases na tela de um vídeo quando a banda tocava a música. Uma delas dizia: "Agora, nada é mais caro do que lamentar", sobreposto a imagens do presidente George W. Bush.
Talvez a maior ironia é que o Van Halen tem um longo caminho com os republicanos ao tentarem parar de usar a música em eventos. Depois de McCain anunciar Palin como sua companheira de chapa, em Ohio, a gestão do Van Halen divulgou um comunicado ao TMZ dizendo: "A permissão não foi pedida ou concedida e nem teria sido dada."

Isso foi antes. Agora esta. E a música continua a mesma e sendo tocada por eles.