sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Van Halen: Steven Pearcy Fala de Sua Influência do Início do Van Halen

Recentemente Steven Pearcy, da banda Ratt, foi entrevistado pelo San Diego Reader, onde falou sobre sua influência: O Van Halen.

Ratt ‘n’ Roll
Por Andrew Hamlin 

A banda Ratt deixou San Diego, nos anos 80 e ganhou grandes prêmios em Los Angeles, como disco de platina triplo pelo seu LP de estréia. Após anos de decadência, mais alguns álbuns foram lançados, e também vieram a morte eventual do guitarrista Robbin Crosby, vitíma de drogas, a banda está de volta com três quintos da formação original em seu novo álbum de retorno, álbum chamado "Infestation". Nas palavras do vocalista Steven Pearcy, "Agora estamos de volta no lugar certo, onde nós deveriamos estar a muito tempo." Que farei de forma abreviada. Ele compartilhou algumas reflexões sobre o retorno do Ratt, em entrevista ao Reader: 

[... Recorte ...] 

Você saiu de San Diego muito cedo, mas você aprendeu as lições da cena musical de San Diego?

Hã-hã! Porque a minha banda, Mickey Ratt [seu] nome original, contando com os membros Chris Hager, John Turner e Garcia Tim, começamos a tocar inicialmente em qualquer lugar e em qualquer lugar, e realmente se tornou um grampo. Eu tive que começar tudo de novo quando me mudei com a banda para Los Angeles em 1980, através das reuniões do Van Halen. Mas o que eu aprendi em San Diego é tocar em qualquer lugar, sabe? Divirta-se. É um lugar bonito. As pessoas continuam saindo de suas casas para irem nos shows, e minha mãe continua gritando ", Ratt, Ratt!", deixando para mim, os presentes e as cartas. 

Foi um choque cultural indo para Los Angeles, mas eu sabia que eu tinha que ir. Ninguém estava nos oferecendo um contrato de gravação. Estaríamos então, tocando em clubes, como os clubes Golden Hall, Plaza Hall, Bing Crosby Hall, estávamos tocando na frente de 1500 pessoas. Em 77 fiz uma viagem para Los Angeles, quando fui ao clube Whisky a Go Go, foi um choque ao ver o Van Halen tocando, tive a sorte de ir até o camarim, tornei-me amigo de Ed [Eddie Van Halen]. E eu vi eles tocarem na minha frente, como, talvez, tivesse 50 pessoas assistindo, e eles estavam tocando como se estivessem em um Fórum. Eu voltaria para San Diego mais tarde e falaria: "Não existe essa banda, essa banda é incrível, temos que tocar nela também." Foi uma loucura. Todo mundo queria participar também. 

O VHND desenterrou outra história do VH e do vocalista Pearcy. Esta outra história está no livro: "Van Halen: A Visual History, 1978-1984", de Neil Zlozower: 

"Lembro-me de ouvir falar sobre Van Halen, após um amigo meu ter visto eles tocarem em Los Angeles em 1977. Então eu vi eles tocarem no clube Starwood em torno desse tempo, e tive a chance de conhecer David Lee Roth. Perguntei-lhe se ele gostaria de fumar um baseado, e sim, foi isso que ele fez. Depois disso, eu sempre queria ver eles tocarem em Los Angeles. Eles estavam loucos, para dizer o mínimo. Eu era mais um guitarrista / cantor na época. Eu colecionava raros, difíceis de encontrar amps. Eu queria saber o que Eddie estava usando - onde, como e qual. Eu finalmente consegui encontrar um, antes de um show no Whisky, e começamos a conversar sobre a arte. Eu tive um Vox 30 ampères, e ele tinha um também, mas precisava de outro para completar a sua dupla giratória instalação do Vox. Então, ele comprou o meu. Nós nos tornamos bons amigos de negociação, compra, empréstimo a todo tempo. Eu aprendi muito com o Van Halen, e até hoje, ainda acho que eles são uma das melhores bandas do mundo, por sempre estarem no cenário musical mundial ".

Nenhum comentário:

Postar um comentário